Um casal Amy e Ryan Green perderam um filho de cinco anos para o câncer os Greens viram uma forma de homenagear Joel, de marcar sua presença em um mundo, e a forma foi criando um game. O game reflete o drama que o casal passou na luta contra o cancer e tambem ajuda eles a lidarem com a perda.O game, chamado That Dragon, Cancer (ou “Aquele Dragão, o Câncer”) é uma jornada digital pelo diagnóstico, tratamento e, no final, pela morte do filho do casal, Joel, aos cinco anos, devido a uma forma rara e agressiva de câncer no cérebro.Ao longo de 14 episódios de cinco a 10 minutos, os jogadores são introduzidos para Joel e guiado através de estágios de sua vida e morte por câncer.A animação é vívida, mas abstrata. Vozes dos personagens vêm de vídeos caseiros ou sessões gravadas em um estúdio. Riso contagiante de bebê Joel vem de gravações do próprio Joel.
O jogo mais se assemelha a um jogo de vídeo tradicional durante o capítulo em que Ryan e Amy vão explicar a doença de Joel às suas outras crianças. O personagem e chamado de “Joel o cavaleiro bebê.” Usando as teclas de seta, o jogador foge de flamejante bolas de fogo e mata bestas ao longo do caminho da viagem para matar o dragão chamado de câncer.
Vídeo de um trecho do jogo.

Conferência
Ryan percebeu o potencial do jogo depois de levar esta cena do hospital para uma conferência de games em San Francisco em 2013 e os jogadores que testam os games ficaram comovidos.Depois ele foi o foco de um documentário, “Obrigado por jogar.” Ele foi escrito em sites de jogos e no New York Times.

Mas agora, mesmo que fonte de consolo chegou ao fim. Quase dois anos após a morte de Joel, no dia em que teria completado 7, os Greens estão muito felizes com o lançamento de seu jogo.Eles pedem a amigos e fãs para compartilhar suas experiências de jogo, bem como as suas próprias histórias de amor e perda. Eles também incentivar as pessoas a comer panquecas no jantar das noites de terça. Panquecas eram o alimento favorito de Joel.

greenfamilyphoto2013_crop_0
Em uma foto de família 2013, Joel Green (à esquerda) posa com seu pai Ryan, seus irmãos Isaac, Elias e Caleb, e sua mãe, Amy.

CPR